115.

PETÚNIA. Faz agora precisamente um ano. Sentámo-nos para almoçar – a família quase toda – uma mesa de oito ou nove. Esperámos cerca de hora e meia até finalmente chegarem os pratos pedidos, entregues pela própria Cozinheira. Uma frase feita atravessou-me o pensamento: “se no Algarve se soubesse trabalhar o Turismo, isto podia ser o Paraíso…”. Afinal o restaurante inteiro andava num alvoroço porque nesse dia os dois únicos empregados que tinham decidiram faltar. Sem um aviso ou justificação. Aliás, como viemos a saber mais tarde, nunca mais voltaram a aparecer, nem para receberem o que lhes faltava pagar. De novo a frase feita a atravessar-me o pensamento.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s