127.

São Pedro do Sul (8/25). As paredes dos corredores e das salas do hotel mostram-nos retratos de outro tempo. Fotografias de antepassados mas também da casa, porque esta é uma história comum. São como um mapa que nos explica a origem dos afectos que sentimos ao ficarmos lá hospedados. Desenhei três desses retratos mas este é porventura o mais importante: o Pai e a Mãe das três irmãs. ::: À esquerda, um desenho sobre outro desenho. Na sala de estar, enquanto assistíamos ao Telejornal, comecei a desenhar aquele cadeirão. A certa altura, e a propósito das notícias, Dona Delfina sentou-se à conversa com o meu sogro. Sem conseguir continuar o desenho começado, tentei “sentá-la” na parte já desenhada do cadeirão. Este foi o resultado possível.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s