149.

TAXIDERMIA. Ele olha-nos há anos do alto daquela parede. Sempre esteve ali. Os olhos feitos do mesmo material que os botões das camisas, emprestando brilho para simular vida. Estranho nunca lhe termos dado um nome. Duas vezes por ano, uma no Verão outra no Inverno, levo-o até lá fora. Escovo-lhe o pêlo e perfumo-o com insecticida enquanto lembro como esta é mais uma das tarefas do meu Pai que agora a mim me pertencem. Este ano, sentado à lareira numa das “noites de Natal”, pela primeira vez apeteceu-me desenhá-lo. Eu que gosto tanto dos animais livres e aos pulos, continuo a achá-lo bonito e a gostar dele sem saber bem porquê.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s