186.

AS CIDADES INVISÍVEIS *. Por vezes, enquanto desenho Lisboa, revejo nela – dentro dela – outras cidades que já visitei. Em parte porque nessas cidades longínquas fui tantas vezes surpreendido por ecos da presença portuguesa mas também porque qualquer cidade é muitas outras ao mesmo tempo. Sub-cidades que vivem num outro ritmo, por vezes noutra época. Envelhecem mais depressa ou mais devagar que a cidade-mãe. Assim, este pedaço do bairro de Benfica é na verdade uma outra Lisboa que só alguns conhecem. Uma Lisboa que me traz à memória outras cidades mais pequenas, mais degradadas, mais esquecidas. Com casas vazias, lojas fechadas, outros sons e línguas. Ali cheira a almoço pela manhã e durante o resto do dia à roupa a corar ao sol. Com todas as mudanças sociais que acontecem por estes dias, pergunto-me como será daqui a vinte anos a Lisboa que hoje conhecemos? 

Um livro obrigatório que aconselho a todos. Aqui.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s