Aulas de Desenho, porquê?

LigeiramenteCanhoto in S Baby:

«Os desenhos sempre foram para mim um refúgio e uma forma de ganhar protagonismo sem ter que olhar os outros nos olhos. Acalmam-me. Ler e escrever são outras grandes paixões mas não consigo passar um dia que seja sem desenhar.

Manuel (6 anos)

Sou professor de desenho e os meus alunos são crianças. Uma tarefa tão apaixonante quanto difícil.

Tenho o privilégio de dar aulas num colégio frequentado por pais que (maioritariamente) valorizam este tipo de aprendizagem complementar – chamemos-lhe assim para não complicar demasiado as coisas – e ainda assim, sinto muitas vezes que olham para as minhas aulas como uma espécie de anedota: “aprender a desenhar para quê? O meu outro filho só tem 3 anos e já desenha…” ou o clássico Não vale a pena inscrevê-lo. No que diz respeito ao desenho o meu filho sai a mim: não é capaz de fazer uma linha direita”.

Guilherme (7 anos)

Penso que aquilo que alguns pais mais temem é imaginarem os seus queridos filhos transformados em (horror!) adultos artistas e não nos médicos ou advogados com que sonharam (os pais).

Acontece que o meu objectivo não é que as minhas aulas sejam uma incubadora de pintores maltrapilhos. O meu grande desafio é precisamente conseguir que eles se tornem no adulto que sonham (as crianças) ser e que ainda assim continuem a desenhar. Porque uma coisa definitivamente não invalida a outra.

Desenhar ajuda a concentração. Ajuda-nos a saber estar sozinhos connosco, a organizar ideias e pensamentos abstractos. A ver em vez de olhar. Isto, parece-me, é útil para qualquer profissional.

Gonçalo (7 anos)

De facto, a necessidade de desenhar nasce connosco – assim como a de dançar ou cantar. É visceral, é uma urgência, uma vontade inata de criar que tem caracterizado os seres humanos até aos dias de hoje. Essa parte não é ensinável.

O que podemos fazer pelo desenho é olhá-lo como um desporto acessível: todos podem praticá-lo e quanto mais treinarmos, melhores serão os resultados.

Ao contrário do que é comum pensar-se, o desenho não é um dom. Tal como no futebol, o facto de haver uns poucos iluminados para quem tudo parece mais fácil e rápido, não invalida que qualquer pançudo possa dar uns toques numa bola com os amigos uma vez por semana. A ideia é mais ou menos a mesma.

José Miguel (9 anos)

Não é correcto dizer-se que um adulto não sabe desenhar, será mais correcto dizer que se esqueceu de fazê-lo.

Qualquer criança saudável gosta e sabe desenhar porque… desenha. Parecendo que não, este é um pormenor importante… Depois porque o faz sem qualquer complexo, sem qualquer medo ou comparação: o menino que vai a correr mostrar aos pais o desenho de uma “nave espacial com um escudo anti-cometas e raios paralizantes”  – três traços e um triângulo – é naquele momento o menino mais feliz e realizado à face da terra. Ou da lua.

Só por volta dos 9 anos – a idade dos meus alunos mais velhos – as crianças começam a deixar de desenhar. Estão na idade de se rirem dos estampanços alheios e sabem que os outros se rirão dos deles também. E a crítica dos outros perante o resultado de um esforço tão grande… dói.

É então que começam a olhar para o lado, a comparar os desenhos, a esconder o deles com uma mão em concha. A solução mais eficaz é quase sempre a mesma: deixar de desenhar. Não havendo desenho, não existe erro.

Abdicamos do gozo para evitarmos a gozação. É triste.

Joaquim (9 anos)

Desenhar sem preconceitos – sem pré-conceitos – é o conselho mais simples (e também o mais eficaz) para quem quer desenhar. Desenharmos aquilo que vemos e não aquilo que julgamos ver. Olharmos para as coisas como se as víssemos pela primeira vez – o que é mais fácil para as crianças porque é comum ser de facto a primeira vez.

Numa sala onde 20 alunos desenhem uma cadeira, teremos sempre 20 desenhos diferentes no final. Se de seguida pedirmos aos mesmos 20 alunos para voltarem a desenhar a mesma cadeira, teremos outros 20 desenhos diferentes. Diferentes entre si mas também em relação aos primeiros. A cadeira é a mesma, os quarenta desenhos não.

E sabem o que é mais bonito? É que nenhum dos 40 desenhos está “errado”. Porque também não existe um desenho “correcto”. O meu desenho da cadeira é a minha visão, aquela cadeira filtrada pelos meus olhos, cérebro e mão. Já o teu desenho é a tua visão – outros olhos, outro cérebro, outra mão. Por isto nos fascinam tanto os desenhos dos outros.

Tomás (9 an0s)

Falo de crianças entre os 6 e os 9 anos que uma vez por semana, trocam uma hora de recreio por um lápis – uma hora é uma vida nestas idades – cumprindo exercícios que não parecem ser exercícios e atingindo progressivamente objectivos dos quais raramente tomam consciência. Uma tarefa tão apaixonante quanto difícil.

Os resultados não são imediatos e, na era da Banda Larga, é difícil fazê-los lidar com essa frustração. É difícil fazê-los deixar de dizer “está horrível” mal acabam de desenhar. É difícil fazê-los perceber como estão a desenhar melhor, como se tornaram melhores observadores, como ficam tranquilos ao desenhar.

Eu, os pais e os professores notamos bem as diferenças. Se tudo correr bem, também eles um dia hão-de notar.»

Tomás (9 anos) – ‘O professor de desenho’

2 pensamentos sobre “Aulas de Desenho, porquê?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s